quarta-feira, 22 de agosto de 2007

SOMOS JAVALIS "LIVRES"

Pensar na liberdade humana é sem duvida um assunto muito instigante, pois como podemos ser livres se estamos inseridos dentro de uma sociedade, mesmo que não queiramos pertencer a tal sociedade ao menos ficamos as margens dela, ficamos de algum modo engajados dentro da bolha social. Karl Marx usou a metáfora do Javali para explicar que o homem nunca foi nem é livre, até porque por natureza somos dependentes uns dos outros. Marx critica a noção de território que o Javali tem, ele pensa que aquela parte da floresta só é território seu, quando na mesma porção de terra que o Javali pensa ser território exclusivo dele, habitam várias outras espécies (peixes, mamíferos, crustáceos, répteis, anfíbios, aves etc.) e que o Javali na floresta se acha livre, porém quando sai do território que julga ser seu fica perdido em meio a imensidão da mata. Para o homem, isso acontece quando o homem começa a acreditar que ele é um ser livre e que cuida do seu próprio destino podendo ir e vim aonde e como bem entender, por trás dessa idéia de liberdade existe todo um controle para seus atos, controle esse que Michel Foucalt enfatiza bem no seu livro Vigiar e Punir, controle feito pelas instituições educacionais, manicômios, carcerárias, hospitais, etc. Como o Javali, o homem também nem percebe esse vigiar da sociedade perante sua pessoa ou seu grupo, desde pequeno somos educados a agirmos e nos comportamos de uma certa forma, pré-estabelecida pelos governantes da nossa sociedade, passando assim o Javali na mesma porção de terra que conhece desde filhote, o mesmo efeito acontece com o ser humano, pelo fato de ser vigiado desde criança, o individuo se acostuma com o meio que o cerca, é dominado e vigiado sempre e nunca nota. Por fim, chegamos a conclusão que não somos tão livres assim, não podemos fazer tudo que nos der na telha, somos vigiados por esferas da sociedade sempre, somos adestrados para seguirmos as normas sem “quase” nunca burla-las. Então caro (a) amigo (a), pense bem antes de dizer que és livre, leve e solto, pois no fundo, no fundo, somos apenas mais um Javali em meio a essa selva de pedras.