quarta-feira, 1 de agosto de 2007

PAN AMERICANO RIO 2007

O Pan Americano chega ao fim, vai deixar saudades. A edição Rio 2007 foi a melhor campanha do Brasil em jogos Pan Americanos, foram 161 medalhas no total, sendo 54 de ouro, 40 de prata e 67 de bronze, ficando assim no segundo lugar em numero totais de medalhas, somente atrás do todo poderoso Estados Unidos da América e em terceiro na classificação por medalhas de ouro atrás dos Estados Unidos e 5 medalhas atrás de Cuba, que também é muito tradicional no esporte, um fato que merece ser lembrado, pois U.S.A. e Cuba são uma hegemonia esportiva. É muito significativo o fato das Américas terem 35 paises e nosso Brasil ter o segundo lugar no total de medalhas, sejam elas de quais cor e quais metais sejam. Com Cuba a história se repetiu, nesses jogos, houveram 4 deserções de atletas cubanos, sendo eles 1 jogador de Handebol, 2 boxeadores e 1 técnico da ginástica feminina, numero bem menor aos 13 atletas desertores dos últimos jogos olímpicos. Mas voltando a falar do Brasil (que é o que nos interessa) Queria deixar registrado que apesar das medalhas, de ter ocorrido a melhor desempenho de todos os jogos e dos R$ 4 bilhões investidos para a construção das arenas de competição, de várias outras instalações e compra de equipamentos de primeira linha para a realização de todas as modalidades, o Brasil precisa melhorar e melhorar muito o incentivo aos atletas, atletas tão dedicados e esforçados que chegam a tirar dinheiro do próprio bolso para viagens de competição nacional e internacional, atletas brasileiros como Diogo Silva do Taekwondo, que para poder representar seu país em competições no exterior só teve o apoio das freguesas de sua mãe manicure, o atleta teve que arcar com despesas de viagens como: passagens, alimentação, hospedagem e até o uniforme tinha que ser comprado com o dinheiro do atleta, inaceitável que o primeiro medalhista do Brasil no Pan Rio 2007 tenha que ter passado por isso, Diogo é só um exemplo, assim como ele, tantos outros tem que se sacrificar pelo o esporte que praticam, tantos outros desistem no caminho, que por sinal é árduo, sem patrocínio fica muito mais difícil se chegar a algum lugar, muitos e muitos jovens estão no crime por não terem essa tão sonhada oportunidade de uma carreira de sucesso e glória, por incrível que pareça o salário desse campeão mundial são só R$ 600,00, inaceitável que um atleta a nível mundial ganhe tão mal, mas aos trancos e barrancos não só Diogo Silva como tantos outros atletas e tantos outros Silvas vão conseguindo (não sei como!) Competir e se classificarem para competições tão importantes que é um Pan Americano, um campeonato mundial ou uma Olimpíada, algumas modalidades tem atletas que dividem seu tempo entre treinamento e um outro qualquer emprego paralelo para poder levantar fundos e competir no seu esporte, no medalha de ouro do Taekwondo por exemplo, é mais outro atleta que teve que juntar um ano de salário para poder custear suas despesas em competições internacionais. É vergonhoso e ao mesmo tempo contraditório, atletas que nos dão tanto orgulho de sermos brasileiros, atletas que nos dão tantas alegrias não terem quase nenhum incentivo da parte dos governantes e até das empresas, sejam elas estatais ou privadas. Por outro lado ainda não sabemos torcer, não sabemos nos comportar, vaiamos atletas de outros paises, vaiamos os juizes, fizemos barulho em esportes onde o silencio era de fundamental importância, como a exemplo o atletismo e vaiamos até nosso presidente (que é a representação democrática do nosso país) em discurso inaugural dos jogos. Apesar das dificuldades; rimos, choramos, vibramos com nossos atletas, corremos, nadamos, atiramos, saltamos, arremessamos, lutamos perdemos e ganhamos, como se fossemos um só ser, telespectador e atleta, juntos no momento da competição. Por alguns instantes esquecemos nossas dores, nossos problemas. Vimos uma linda abertura dos jogos, cheia de cores e música, tão belo quanto a abertura foi o encerramento. A maioria dos locais onde as competições foram realizadas são de primeiro mundo, não deixando duvida alguma que futuramente possamos sediar uma Copa do Mundo ou uma Olimpíada. A redução comprovada da violência nas ruas do Rio de Janeiro, reduzindo assim em 5% os homicídios, 17% os assaltos e 36% os furtos a automóveis também é inquestionavél, o que esperamos é que essa segurança ou ao menos boa parte dela fique efetiva na cidade. Se o Pan Americano Rio 2007 foi um vestibular para o Brasil poder sediar qualquer evento de importância mundial, neste vestibular tão concorrido conseguimos passar, falta mais apoio e patrocínio para nossos atletas, mas quem sabe um dia nossos empresários e governantes acordem e ajudem nossos atletas, afinal, eles nos dão tantas alegrias. É preciso mais incentivo ao esporte, que comece a ser praticado diversos esportes nas escolas, não somos só o país do futebol, provamos isso nesse Pan, somos também o país da natação, dos esportes coletivos em geral, da ginastica, etc. Já existem alguns programas e projetos sociais que envolvem o esporte na sua grade curricular, vimos alguns exemplos de atletas que saíram desses projetos, falta mais incentivo para que nas próximas edições consigamos superar-mos cada vez mais e mais.