quarta-feira, 1 de agosto de 2007

INQUIETAÇÃO

0:30 hr, de mais uma madrugada de algum dia de semana normal, onde estou em férias na minha cidade natal, foi mais um dia comum de mais umas férias monótonas da universidade (queria eu que fosse férias de um emprego, conseguir emprego tá difícil enquanto mais férias de emprego!) Porém não tenho o que reclamar, afinal, faço parte de um grupo onde somos privilegiados por estarmos cursando o antigo terceiro grau, hoje denominado de curso superior. Em um país onde menos de um terço da população tem acesso a esse tipo de ensino e menos gente ainda a este ensino gratuito. Pois bem, estou aqui em minhas inquietações... A quem chame esse meu comportamento de insano, alguns amigos dizem que agir assim é coisa de quem não tem o que fazer, que seja, classifiquem da maneira que bem entenderem, por exemplo, na Tanzânia, país da África oriental que provavelmente você que está lendo este artigo nunca ouviu falar! Lá o pai de família tem que pagar 60 dólares anuais para o governo por cada filho seu na escola, ou seja, o ensino naquele país tido como publico na verdade é pago, o pai tem a obrigação de colocar todos seus filhos na escola e caso não pague a educação de seus filhos para o governo, é detido e levado para a prisão, em um país onde a média da renda familiar é de 300 dólares anuais e onde se tem um numero elevado de filhos por família (o que acontece na grande maioria dos paises de terceiro mundo) Fica quase impossível colocar todos os filhos na escola, e com a agricultura de subsistência predominante na economia, o patriarca indo preso como a família sobrevive em um solo árido com a existência de poucos nutrientes e quase nenhum período chuvoso. Mas você estar ocupado (a) demais para querer saber disto, ocupado (a) demais assistindo realitys shows e programas dominicais fúteis. Enquanto isso no Brasil alguns críticos falam que os programas governamentais para que se combata a evasão escolar, como a Bolsa Família, Vale Gás, Vale Leite, Fome Zero, etc. – É uma esmola, dizem os críticos, discordo, pois o que vemos é uma real adesão de alunos nas escolas, sei que a política de aprovação escolar brasileira é falha, mas isso é assunto para outro artigo. Voltando ao assunto da educação na Tanzânia, acho que você estar se perguntando; - Por que o governo desse país não cria a principio programas agrários de subsídios à agricultura? Já que o país é agrário e com uma agricultura de subsistência os impostos arrecadados para o governo local investir no social do país são insignificantes, como esses fatores não bastassem, existe ainda a divida externa, onde o governo tem que pagar 60% de seu PIB (Produto Interno Bruto) ao BM (Banco Mundial) Várias ONGs (Organizações Não Governamentais) e algumas personalidades defendem o perdão da divida externa dos paises pobres, pois os juros que esses paises pobres já pagaram daria para pagar dez vezes o dinheiro tomado emprestado. Por questões políticas não temos este perdão da divida, este ato forma uma bola de neve que vemos sem tamanho crescer a cada dia, onde cada vez os muitos que tem pouco ficam com menos ainda e os poucos quem tem muito ficam com mais ainda. Se algumas pessoas acham loucura eu pensar nestes assuntos que quase ninguém se dá ao trabalho de pensar, então, que eu seja louco até o fim dos meus dias.