terça-feira, 7 de agosto de 2007

E EMOCIONALMENTE FALANDO:


Sou do interior do interior. Venho de uma cidade interiorana, mais precisamente, da região conhecida como agreste pernambucano, cidadezinha de +/- 20.000 hab. Onde quase todos se conhecem, aonde há muita gente simpatica e ospitaleira, onde se compra fiado e se pendura na caderneta. Cidade de clima quente e aconhedor, local que gera uma enorme empatia para com seus visitantes e vale citar a maxima que diz: "Quem prova dessa água, nunca mais esquece". Muitos (as) amigos (as) meus, nunca foram e/ou só ouviram falar de Jataúba através da minha boca, mal sabem eles o que estão perdendo. Cidade Festeira, de festas épicas como às; Festas de São Sebatião, Carnavais, Aniversários da cidade, São Joões, São Pedros, Missas do Vaqueiro, Corridas de motos, Vaqueijadas, as extintas festas da Beterraba e Resnascença e também os extintos Festivais do Choop, dentre outras tantas festas inesqueciveis na pequena e simpatica Jataúba-PE. Vez ou outra algum crime acontece, falta de emprego e muita politicagem como em toda cidade interiorana também fazem parte da vida de minha cidade, Jataúba também tem pobreza, desigualdade social e tantos outros problemas. Entre o bem e o mal, estar localizada mais ao lado do bem, ainda é uma cidade onde posso conversar com os amigos na calçada durante toda madrugada, sem correr risco algum, é onde posso andar na feira comendo pastel com caldo de cana. Portanto, sou Matuto mesmo, não troco meu interior por sua capital.